Preços de materiais escolares podem variar mais de 300% em Porto Alegre, aponta pesquisa do Procon

Embora os estudantes ainda estejam em férias escolares, a corrida pela compra dos materiais utilizados durante o ano letivo já começou. Para ajudar pais e responsáveis, o Procon Porto Alegre divulgou, nesta sexta-feira (12), a primeira pesquisa de preços dos itens básicos mais solicitados. A variação de preços pode ultrapassar os 300% em alguns itens.

A pesquisa mostra as diferenças de valores encontradas em quatro estabelecimentos da Capital. Entre 8 e 11 de janeiro, o órgão municipal consultou os preços de 33 produtos.

— O levantamento busca auxiliar o consumidor que está pesquisando preços nesta época anterior à volta às aulas — afirma o diretor do Procon Municipal, Wambert Di Lorenzo.

Um exemplo da variação entre valores de itens da lista escolar é a caixa com seis unidades de massa de modelar. Quem estiver procurando o produto, encontrará valores entre R$ 2,09 e R$ 4,50, uma diferença de mais 115%. No caso da tesoura escolar simples, a variação é ainda maior: 293% entre o menor preço (R$ 1,50) e o maior (R$ 5,90). 

Já a discrepância na compra da caixa com 12 unidades de giz de cera chega a 369% — o consumidor pode escolher pagar entre R$ 2,55 e R$ 11,98, dependendo do estabelecimento.

De forma geral, os itens mais baratos da lista escolar, como lápis e canetas, também apresentam variações. A caneta esferográfica de ponta grossa é vendida entre R$ 0,69 e R$ 1,30, uma diferença de 88%. Uma caixa de lápis de cor, com 12 unidades, pode ser encontrada a R$ 3,98, o menor valor, até R$ 8,90, uma variação de 123%.

Preços de materiais escolares podem variar mais de 300% em Porto Alegre, aponta pesquisa do Procon

COMENTÁRIOS