pesquisa descobre 5 subtipos da doença

Uma equipe internacional de neurocientistas identificou pela primeira vez cinco subtipos distintos da doença de Alzheimer, no que pode vir a ser um grande avanço nas abordagens e eficácia do tratamento. Os neurocientistas pedem que pesquisadores e profissionais médicos olhem para a doença não como algo que leva a um diagnóstico único, mas sim com um diagnóstico para cada um dos cinco tipos específicos de Alzheimer. As informações são do portal New Atlas e a pesquisa foi publicada na revista Nature Aging.

Descoberta reuniu esforços de profissionais de diversos países

Cientistas do Centro de Alzheimer de Amsterdã, da Universidade de Amsterdã, e da Universidade de Maastricht, juntamente com especialistas em doenças neurodegenerativas dos EUA, Bélgica, Reino Unido e Suécia, encontraram cinco categorias de fluidos que envolvem os cérebros dos pacientes com doença de Alzheimer (DA). A equipe já havia investigado a doença anteriormente, e o estudo havia encontrado três categorias. Porém, uma nova pesquisa com mais proteínas e pacientes levou à revelação de mais dois tipos.

{{#values}}
{{#ap}}

{{/ap}}
{{^ap}}

{{/ap}}
{{/values}}

Leia mais:

No estudo, pesquisadores analisaram o líquido cefalorraquidiano (LCR) em 419 pacientes e 187 participantes controle. O LCR, que é um líquido transparente que envolve o cérebro e a medula espinhal, é considerado uma “janela para o cérebro”.

Embora forneça um tampão protetor, o LCR também contém proteínas que são produzidas no cérebro e liberadas no fluido. Como tal, três biomarcadores do LCR – Aβ42, tau total (t-tau) e tau fosforilada (p-tau) – são amplamente reconhecidos como o perfil da doença e são uma importante ferramenta de diagnóstico.

Nos últimos avanços, a equipe identificou 1.058 proteínas no LCR que diferiam entre as duas amostras testadas. Descobriu-se então que estas proteínas estavam ligadas a diferentes processos moleculares específicos envolvidos na progressão do Alzheimer.

Curiosamente, cada um dos cinco subtipos também foi associado a um perfil único de risco genético, sugerindo que existem amplos fatores biológicos associados à doença. Enumerados de 1 a 5, cada subtipo mostrou diferentes vias moleculares para o que tradicionalmente tem sido considerado uma doença global.

Os pesquisadores descobriram que os cinco subtipos da doença de Alzheimer se apresentam de maneiras específicas (Imagem: Creative Commons/Divulgação)

Os cinco subtipos descobertos:

O subtipo 1 foi associado à hiperplasticidade neuronal ou ao crescimento elevado das células cerebrais e aos níveis de proteína tau. A taxa média de sobrevivência foi de 8,9 anos e a abordagem médica mais eficaz foi o tratamento com anticorpos.O subtipo 2 foi associado à ativação imunológica inata ou o sistema imunológico hiperativo, marcado por grave atrofia cerebral e níveis elevados de tau. Teve uma taxa média de sobrevivência de 6,7 anos, sendo a melhor abordagem de tratamento, não surpreendentemente, os imunossupressores.O subtipo 3, uma das duas variantes completamente novas, foi associado à desregulação do RNA e apresentou o declínio mais rápido, com uma taxa de sobrevivência média de apenas 5,6 anos. A terapia restauradora de RNA pode ser o caminho de tratamento mais eficaz.O subtipo 4 foi associado à disfunção no plexo coróide, onde o LCR é produzido, e resultou em crescimento moderado de células cerebrais e problemas nos vasos sanguíneos. Embora os níveis de t-tau e p-tau parecessem normais, este subtipo apresentou a atrofia cerebral mais extrema. A taxa de sobrevivência para este subtipo foi de 7,4 anos, e os pesquisadores determinaram que o tratamento mais eficaz seria a inibição terapêutica da infiltração de monócitos.Por fim, o subtipo 5 foi associado à disfunção da barreira hematoencefálica. Os cientistas descobriram que as pessoas com esta doença de Alzheimer tinham mecanismos de barreira hematoencefálica prejudicados, tornando-as propensas a ter micro-hemorragia e inflamação. O tempo médio de sobrevivência para este subtipo foi de 7,3 anos e seria melhor atendido com tratamentos cerebrovasculares.

Quanto à divisão dos subtipos entre as pessoas testadas, 35,5% tinham subtipo 2, 27,9% subtipo 1, 17,1% subtipo 4, 16,6% subtipo 5 e 5,8% tinham o subtipo 3.

Embora seja um estudo fascinante por si só, os pesquisadores acreditam que ele também oferece pistas sobre a razão pela qual a gama de opções de tratamento atualmente disponíveis tem pouco sucesso em retardar a progressão da Doença de Alzheimer, e muito menos em interrompê-la. Testes abrangentes de LCR para identificar o subtipo da doença poderiam fornecer ao paciente o tratamento mais eficaz no menor tempo possível.

pesquisa descobre 5 subtipos da doença

COMENTÁRIOS