Pesquisa da Itália cria interruptor molecular que melhora memória

Cientistas da Universidade Católica do Sacro Cuore, na Itália, desenvolveram uma proteína geneticamente modificada para aperfeiçoar a memória ao ser ativada por um medicamento.

Os resultados do estudo foram publicados na revista científica Science Advances.

Com a técnica, a equipe mudou a proteína LIMK1, crucial para a memória, de maneira que ela adicione um  “interruptor molecular” ativado pelo consumo do remédio rapamicina, conhecido por efeitos antienvelhecimento no cérebro.

A fórmula foi testada em ratos idosos com declínio cognitivo, que tiveram melhoras durante a observação de comportamentos e testes de memória.

A equipe ainda verificou mudanças nas sinapses, principalmente no hipocampo, região cerebral fundamental para a memória.

“O interruptor molecular é a proteína modificada associada ao medicamento. Ele facilita a identificação de soluções inovadoras para doenças neuropsiquiátricas, como a demência”, disse o coordenador da pesquisa, Claudio Grassi.

“O próximo passo é testar a eficácia desse tratamento em modelos experimentais de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer, e conduzir mais estudos para validar seu possível uso em humanos”, pontuou Cristian Ripoli, autor da pesquisa.

Pesquisa da Itália cria interruptor molecular que melhora memória

COMENTÁRIOS