CEOs temem por suas empresas em pesquisa pré-Davos

Placa com o logo do fórum de Davos – Fotos: REUTERS – Denis Balibouse

Placa com o logo do fórum de Davos – Fotos: REUTERS – Denis Balibouse

Executivos globais estão cada vez mais preocupados com a viabilidade a longo prazo de seus negócios, mostrou uma pesquisa pré-Davos da PricewaterhouseCoopers, com pressões crescentes da inteligência artificial generativa (IA) e das perturbações climáticas.

Siga o canal da Forbes e de Forbes Money no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

“Há 55% que pensam que não precisam mudar radicalmente, e eu diria que isso é um pouco ingênuo porque o mundo está mudando muito rápido ao seu redor”, disse o presidente global da PwC, Bob Moritz, no Reuters Global Markets Forum (GMF), antes da reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos.

Os avanços na IA generativa estavam no topo das preocupações da maioria dos entrevistados, com quase 75% prevendo que isso mudaria significativamente os seus negócios nos próximos três anos.

A maioria espera que a IA exija formação em novas competências para os funcionários, enquanto muitos expressaram preocupações sobre os riscos de segurança cibernética, a desinformação e a parcialidade em relação a grupos específicos de clientes ou funcionários.

“Se você olhar apenas para as mesmas habilidades, acho que sim, haverá impacto”, disse Juergen Mueller, diretor de tecnologia da SAP, referindo-se às perdas de empregos e ao congelamento de contratações em cargos juniores no setor de tecnologia.

“Portanto, o que você precisa é de pessoas ainda mais qualificadas”, disse Mueller à GMF em Davos.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O inquérito da PwC também revelou um maior enfoque nas preocupações ambientais que pressionam as margens, com quatro em cada dez executivos a afirmar que aceitariam retornos mais baixos para investimentos amigos do clima.

No geral, as empresas estavam mais confiantes no quadro do crescimento global, com 38% otimistas quanto ao crescimento, o que foi mais do dobro dos inquiridos em 2023.

No entanto, também estavam menos otimistas quanto ao crescimento das receitas no próximo ano, com 37% confiantes na sua capacidade de aumentar as receitas, contra 42% em 2023.

“A capacidade de aumentar as taxas e os preços não é tão fácil como nunca… essa será uma tendência que provavelmente veremos nos próximos dois a três anos”, disse Moritz.

CEOs temem por suas empresas em pesquisa pré-Davos

COMENTÁRIOS